Vinho_1._Photo_-_Joo_Paulo.jpgCategorias Oficiais de Vinho

DOC or DOP

No mais alto nível da hierarquia dos vinhos europeus, Portugal tem 31 DOC/DOP. Atualmente, ambos estes termos são utilizados em Portugal. A designação tradicional “DOC” significa Denominação de Origem Controlada e a pan-europeia “DOP” significa Denominação de Origem Protegida. Cada uma destas regiões tem delimitações geográficas estritamente definidas. Observação: apenas são apresentadas 28 no mapa uma vez que três das regiões (Douro e Porto, Madeira e Madeirense, DOC Setúbal e DOC Palmela) ocupam as mesmas áreas e foram numeradas em conjunto. Os regulamentos DOC também estabelecem uma quantidade máxima de colheitas de castas, determinam quais as castas recomendadas e autorizadas e várias outras normas. Todos os vinhos têm de ser submetidos a uma prova, teste e aprovação oficiais

IG or IGP (Vinho Regional)

Todo o território nacional está dividido em 14 áreas de “Vinho Regional”. Os vinhos provenientes destas áreas têm sido designados como Vinho Regional em Portugal. Atualmente, a União Europeia introduziu novas designações para esta categoria de vinho: IG quer dizer “Indicação Geográfica” e IGP, “Indicação Geográfica Protegida”.
A maioria das regiões portuguesas decidiu manter a denominação antiga, VR. As normas para a elaboração de Vinho Regional são muito menos rigorosas do que as que governam os vinhos DOC. Todavia, muitos vinhos portugueses de prestígio são classificados como Vinho Regional. Isto acontece porque o produtor preferiu utilizar castas que não estão autorizadas para uma determinada DOC ou, pelo menos, não estão autorizadas nas combinações e proporções específicas escolhidas. Os regulamentos menos rigorosos para o Vinho Regional proporcionam aos produtores um campo de ação mais alargado, apesar de estes vinhos também terem de cumprir determinados critérios relativamente à casta, graduação mínima alcoólica, entre
outros.

Vinho (Wine)

Os Vinhos de Mesa são os vinhos mais simples de Portugal, não estando sujeitos a nenhuma das normas estipuladas para a qualidade dos vinhos regionais. No entanto, é de assinalar que muito poucos vinhos elogiados pela crítica são designados simplesmente como vinhos de mesa. Regra geral, são vinhos produzidos por viticultores ambiciosos que decidiram trabalhar fora das normas oficiais e deliberadamente classificaram os seus vinhos como vinhos de mesa.